Páginas

#14




Há dias e dias. 
Lembraste daquele sorriso que acontecia naturalmente com a tua presença?
Daquelas palavras simples e ao mesmo tempo tão bonitas que me dizias?
Daquele teu olhar que me deixava sem jeito?
Daquelas tuas piadas sem piada que eu me ria só para te deixar feliz?
Mais importante do que tudo, lembraste de nós?
  Apesar destes anos todos continuo tão apegada a ti, ao que era nosso...
Por vezes pergunto-me se só eu é que dei de tudo ao que era nosso...
Continuo a questionar-me o porquê de ser tão apegada a ti porque nunca me tinha acontecido algo assim, algo que me desse voltas à cabeça diariamente, algo tão confuso para mim.
Na verdade não sou de me apegar muito às pessoas, mas a verdade é que me apeguei demasiado a ti, de uma tal forma que nem sei como irei deixar para trás aquilo que fomos.
Passaram-se anos, para mim é como se tivesse sido ontem.
Continuo a pensar se a culpa foi minha ou tua ou até mesmo dos dois.
Acho estranho não me conseguir apegar a ninguém da mesma forma como me apeguei a ti.
Ninguém sabe aquilo que vivemos, só tu e eu, mas por vezes questiono-me se aquilo que vivemos foi tão importante para ti como continua a ser para mim.
Aquela despedida foi um poço de tristeza e solidão porque, mesmo estando rodeada de pessoas, faltas lá tu, a mais importante. Gostava de esquecer tudo isto e conseguir partir deste pesadelo porque, foi no que se tornou.

#13

Der por onde der, não há nada como ver filmes românticos em dias deprimentes, cheia de mantas e com uma data de doces em meu redor.